Sim, já tinha perdido quase 12kg! grrrr

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Seis quilos a menos: o balanço possível

Emagreci seis quilos desde o final de Agosto. Alguns dirão que é muito tempo para tão pouco peso. Talvez até seja, mas sinto-me bem e no bom caminho e é isso que importa.
Tenho apenas 1.60, seis quilos já se notam bem. Claro que se tivesse 100 quilos, isto seria uma perda demasiado pequena, desanimadora até. Mas o meu máximo foram 79 e é com eles que tenho de jogar.

Aprendi uma coisa muito importante: o meu corpo tem o seu próprio ritmo e forçá-lo com dietas malucas (como fiz noutras ocasiões…) não me vai trazer nada para além de uma perda de peso temporária. Não é esse o meu objectivo!

A mim não bastou cortar o açúcar puro (que só usava no café, já que nunca o usei no leite ou chá), nem cortar refrigerantes (que me passam ao lado), nem trocar o croissant da tarde por pão, pois sempre preferi pão a bolos.

Nunca deixei de comer sopa nem vegetais, que adoro.

Então como é que engordei? Simples: comi demais!

Fazendo uma análise cuidada, está lá tudo bem claro:
- excesso de manteiga (recuso-me a comer cremes de barrar desenxabidos)
- excesso de queijos (tinha sempre 3 ou 4 tipos em casa)
- excesso de enchidos e afins (ah… uma sandes de presunto com manteiga!)
- excesso de arroz, batata, massa, pão…

Sou claramente alguém que gosta de comer, do prazer sensorial da actividade. Aliás, nada me mete mais nojo que ver gente a “enfardar”, como se a comida lhes fosse fugir do prato.
Não, aqui a menina aprecia um bom assado, um bom arroz de polvo, as lulas estufadas da mami… até uma boa sardinha assada na brasa acompanhada por salada de pimentos assados e pepino. Um rancho à transmontana, carne de porco preto do Alentejo, posta à Mirandesa… coisas dessas. Nem falo em vinhos!

Durante anos andei convencida que o meu “engordamento” era injusto, já que raramente comia um gelado, um doce, incapaz de comer uns meros morangos com chantilly, porcaria à qual nunca percebi a piada. Se comer um crepe por ano já é de mais.

Por um lado a culpa disto é da mensagem que médicos e média nos passam: não comer fast food, evitar refrigerantes, cuidado com o bolinho diário, o MacDonalds é Satanás e outras tretas do género.
Quem não faz esta alimentação regularmente fica quase convencida que tem uma boa alimentação, certo? Errado. A slow food, ou seja, a comida tradicional pode ser tão ou mais engordativa.
Foi isso que tive que encarar, é nessa base que tenho de trabalhar.

Atitudes que tomei:
- restringir o uso da manteiga ao equivalente de uma colher de café por dia, num pãozinho pequenino
- não comer presunto ou enchidos mais do que uma vez por semana
- comer queijo fresco e requeijão magros, normais só duas vezes por semana e em porções mínimas
- ter muita atenção às quantidades das porções de arroz, massa… mais vale pôr logo no prato uma porção decente do que pôr pouco e depois ir repetindo “às colherinhas”. No final acabo por comer sempre mais que o estipulado. Nada de repetições!

E pronto, é isto, parece muito simples mas nem sempre é. Os resultados estão longe de serem tão rápidos como os de quem corta com almoços diários no MecDonalds. Mas surgem!

No meu caso: menos seis quilos, menos 6 cms de cintura, menos 10 (dez!) cms no pneu à volta do abdómen, menos problemas com um joelho problemático, soutiens a criarem menos regueifinhas nas costas…

Pode ser lentamente, mas eu chego lá!


Ps – para as meninas que falaram do erotismo do chocolate do post anterior: eu tenho uma teoria acerca da relação entre a forma como um homem se porta à mesa e na cama, mas fica para outra vez!

7 comentários:

Muffin de Chocolate disse...

Olá Papoila! :D

Em primeiro lugar, os meus sinceros parabéns pelos 6 kg perdidos desde o final de Agosto! Não, não me parece muito tempo para tão pouco peso! ;)

Gostei do teu conceito de slow food...ahaha..eu era das que almoçava/jantava/lanchava quase todos os dias no McDonald's/Burguer King/Pizza Hut/You name it e ainda era capaz de chegar a casa e comer a comida deliciosa do meu pai (a tal da slow food) e da minha mãe. Sim, o meu pai cozinha também e muito melhor do que a minha mãe! A feijoada do meu pai é de comer e chorar por mais, assim como outros pratos e petiscos preparados por ele. Ehehheh!

Tenho de comentar também o erotismo do chocolate...ai menina, que imagem mental! Aahahha...

Beijocas!

Sandra

Su disse...

6 quilos não é nada mau! Eu perdi 5 desde Agosto... Estamos no bom caminho, é o que importa! :)

beijocas **

http://disciplinando-me.blogspot.com

Crista disse...

Oi Papoila,
Parabéns pelo peso perdido.
Gostei muito do teu post de hoje. Eu tb. pensava assim. O meu maior erro são:
1º quantidades de arroz ou massa (mesmo que seja só cozido/integral)
2º os acasionais ataques de gula
3º preguiça para exercício.

Tenho de reverter, o desafio começa dia 1 Março, estou muito esperançada.
Mil beijocas

Luna Leve disse...

Bem....fiquei cá com uma fome ao ler o teu blog...hum...queijo...

Bem. Primeiro parabéns pela perda de peso e por teres percebido o funcionamento do teu corpo. Eu ainda não consegui percebr como funciona o meu. E começo a achar que isso é o mais importante de tudo.

Continua assim e muita força
beijo

Taty Carioka disse...

Olá,
Sem muito bem o que vc sente.
Temos praticamente a mesma altura!
Também demoro a emagrecer...pra engordar é num piscar de olhos! hehehe
Para nossa altura ainda estamos "gordinhas" Ah,se eu tivesse 1.70!
Affe!
Depois que comecei a anotar as coisas que como...comecei a emagrecer.
Deixar de comer é pior!
Parabéns pelas suas novas medidas!
Beijaum

disse...

Oi Pápis, já disse em outras oportunidades que temos o mesmo perfil gastronômico, com regionalismos à parte, claro. Também não sou fã de fasts, ou high sugar. Comida de verdade me vai melhor. Em quantidades decentes ... todos os dias. Resultado? Vc já sabe. Então, suas medidas de contenção são praticamente as mesmas que adotei rigidamente, por 11 meses. Foi só assim que obtive resultados satisfatórios. Hoje em dia ando com problemas com o "rigidamente", mas estou me permitindo o "moderadamente" por um curtíssimo espaço de tempo (sabes bem porque). E deixa eu te contar uma boa. Embora tenha recebido uma eficiente resposta a um questionamento sobre álcool X compulsão, sabe o que encontrei em meu mercado de especialidades? Vinhos alentejanos! De várias marcas (e preços). Eles estão fazendo uma promoção de importados, cada quinzena de uma nacionalidade e a essa tocou os portugueses. Como hoje estava apenas com o dinheiro do pão, comprei o mais econômico, de marca Montado, da casa de José Maria da Fonseca (a propósito, todos vem com selo de procedência, o que espero garantir não comprar gato por lebre). Experimentei e gostei bastante. Amanhã, abro as burras (libero as economias de forma mais pródiga) e vou comprar mais alguns, de outras marcas. Depois te conto. Grande beijo e fique bem.Zá

Ana Sofia disse...

Já fui desesperada c os resultados! Já fui d axar k kt + rápido mlhor, mas agora tou d acordo ctg! Pk roma e pavia n s fizeram num dia e devagar s vai ao longe.
Só um pc cm tu na kestão alimntar... sduz-m mt + 1 prato tradicional, um queijo, um enchido, que propriamnt o fast food, d k gosto mas k troco d bom gosto por um bom almoço num restaurant regional. Axo k é um 1º passo e talx o + acertado, começar na redução nas pkenas coisas k podem ser tão gds na kestão da alimntação. E nixo, há k t reconhcer intligencia. E sja kual for o ritmo, o k intrexam são os resultados.

Bj e bom findi